Vérdi intercede por funcionários do Transporte Coletivo Urbano

 “Jornada excessiva de trabalha não é justa?”

Preocupado com o bem estar dos trabalhadores do Transporte Coletivo Urbano, o Vereador Vérdi Lúcio Melo solicitou ao Procurador Regional do Trabalho, Doutor Rafael de Araújo Gomes, que estude a possibilidade de promover REPRESENTAÇÃO contra a empresa concessionária do transporte coletivo na cidade - AUTOTRANS, sobre possíveis irregularidades no horário de trabalhos dos empregados daquela empresa conhecida como “Pegadinha”, em que o empregado trabalha e permanece à disposição da empresa das 5h30 às 18horas, com períodos intercalados de descansos.

Vérdi esclarece ter sido procurado por funcionários da Empresa Autotrans, relatando estarem trabalhando em regime excessivo, permanecendo à disposição da empresa das 5h30 da manhã às 18h, sem o recebimento de hora extra, com períodos intercalados de descanso, a chamada “Pegadinha”.

“Além disso fomos informados da inexistência de uma escala de revezamento que possa oportunizar aquele que trabalha durante o dia, também trabalhar no período da noite e vice-versa, isto porque, segundo informações, atualmente aqueles que trabalham no período noturno somente tem direito a descanso semanal em um domingo a cada 45 dias,  práticas estas que podem estar infringindo a Consolidação das Leis do Trabalho”, explicou Vérdi que pede especial atenção por parte do Procurador do Trabalho no sentido de promover a competente representação.

Ainda com relação aos trabalhadores da Autotrans, Vérdi intercedeu junto ao Prefeito Municipal e ao Administrador do Terminal Rodoviário, Geraldo Magela Goulart Filho, solicitando informações acerca da possibilidade de disponibilizar no Terminal Rodoviário um banheiro exclusivo para uso dos trabalhadores do Transporte Coletivo Urbano.Vérdi quer saber ainda, caso haja esta possibilidade, qual será a participação da Empresa Concessionária e do Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Coletivo para concretizar a medida.

Vérdi lembra que o serviço do transporte coletivo urbano é explorado pela Autotrans, através de concessão licitatória, entretanto, conforme determina o próprio processo, cabe ao Município  promover a fiscalização em todos os seus termos, principalmente do cumprimento das Leis Trabalhistas. “Entendo que a responsabilidade do Município vai muito além da fiscalização, mas, sobretudo, de contribuir para que as normas trabalhistas com os empregados da empresa concessionária sejam legalmente cumpridas”, enfatizou o Vereador que  espera uma solução rápida para este problema.