Aumenta procura por vacina contra H1N1 no Sul de MG e preço sobe

A gripe H1N1, que tem feito muitas vítimas no Estado de São Paulo, começa a preocupar o Sul de Minas. Duas pessoas na região podem ter morrido em consequência da gripe. Um dos casos, um homem de Extrema, já foi confirmado pelas autoridades de saúde. Com isso, a procura pela vacina nos consultórios particulares por quem não foi atendido pela campanha do governo tem aumentado, mas a dose está mais cara do que o ano passado.

Segundo a farmacêutica Sidnéia Porto Reis, que trabalha em uma clínica particular em Varginha, a procura pela vacina está alta, e por isso, a dose já está mais cara do que no ano passado, custando R$ 85. Em 2012, o preço era R$ 50.

Na rede pública, a campanha de imunização contra a gripe em alguns municípios terminou nesta quarta-feira (29), mas onde ainda há doses disponíveis, a vacinação continua. A prioridade é vacinar idosos, gestantes e crianças menores de dois anos, grupos que têm pouca resistência ao vírus.

Em Minas Gerais já são 12 casos de Gripe H1N1 e dois de Influenza B. Duas pessoas morreram. A manicure Rosângela Maria Fabiano Moreira, de 47 anos, morreu no último sábado (24), com suspeita de H1N1, em Poços de Caldas (MG). No atestado de óbito, as causas da morte foram choque séptico, insuficiência respiratória e infecção pulmonar.

Já no prontuário médico, que foi entregue à família, Rosângela estava com pneumonia viral por H1N1. O primeiro caso de morte por gripe no Estado foi em Extrema (MG). Um homem de 58 anos morreu no dia quatro deste mês no Hospital Universitário de Bragança Paulista (SP).

Para o médico pneumologista Fábio Gomes, o ideal é que não só quem pertence ao grupo de risco tome a vacina, e sim pessoas de todas as idades. No consultório dele, a procura pela dose, que custa R$ 140, aumentou em 30% em relação ao ano passado. A vacina protege três tipos de vírus da gripe.

O Ministério da Saúde informou que não há previsão para que a vacinação seja estendida a outros grupos. A campanha continuará vacinando gratuitamente pessoas com imunidade mais baixa, como crianças, idosos e grávidas.

Prevenção

A recomendação do Ministério da Saúde é para se evitar lugares com aglomeração de pessoas. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a principal forma de transmissão da gripe não é pelo ar, mas sim pelo contato com superfícies contaminadas. Seguem algumas recomendações de higiene para prevenir contaminações:

- Fazer frequente higienização das mãos com água e sabão retirando-se os acessórios (anéis, pulseiras, relógio), uma vez que estes objetos acumulam microrganismos não removidos com a lavagem das mãos.

- Abra a torneira e molhe as mãos, evitando encostar-se na pia.

- Enxágue as mãos, retirando os resíduos de sabonete.

- Evite contato direto das mãos ensaboadas com a torneira.

- Seque mãos e punhos com papel-toalha descartável; no caso de torneiras com contato manual para fechamento, sempre utilize papel-toalha para fechá-la.

- Use lenço descartável para higiene nasal;

- Evite tocar mucosas de olhos, nariz e boca.

- Não divida objetos de uso pessoal, como toalhas de banho, talheres e copos; evite tocar superfícies do tipo maçanetas, interruptores de luz, chave, caneta, torneira, entre outros;

- O uso do álcool em gel tem que ser a 70%, o que quer dizer que a concentração dele é de 70 ml de álcool por 30 ml de água. Esta é a concentração necessária para quebrar a parede celular da bactéria. Uma concentração superior, como o álcool à 90%, não cosegue agir na bactéria porque o poder de evaporação do álcool é maior.



G1