Prefeitura anuncia criação do Conselho Municipal de Transporte

O anuncio foi feito na tarde de quinta-feira, durante coletiva com a imprensa, pelo prefeito Antônio Silva. O Conselho, que será composto por representantes dos movimentos populares,  Câmara Municipal, do Executivo, de sindicatos de classe e economistas,  será responsável pela fiscalização e deliberação do das questões inerentes ao serviço do Transporte Coletivo Urbano em Varginha, tais como a qualidade do serviço prestado, reajustes de tarifas, trajetos de pontos de ônibus, dentre outros assuntos. A expectativa é que em uma semana o Conselho já esteja formado.

O anuncio foi feito uma semana depois da decisão de reduzir a tarifa do transporte coletivo em R$0,10, que passará já a partir de segunda-feira, 1º de julho, de R$ 2,70 para R$ 2,60. “A decisão do Governo federal, em reduzir o PIS e Cofins possibilitou novo cálculo tirando a percentual equivalente e foi possível reduzir os R$ 0,10", explicou o prefeito. Quanto a revogação imediata do ultimo aumento do preço da passagem do ônibus, voltando ao valor de R$2,50, o prefeito deixou claro não ser possível neste momento. “Primeiro precisamos entender os critérios que a administração passada usou para chegar nos R$2,50, porque nos sabemos as razões do ultimo reajuste. Apenas concedemos a inflação do Índice Geral de Preços de Mercado (IGPM), que era de 7,88%,”.

Das reivindicações feitas à Prefeitura pelo Movimento Pró Varginha o Prefeito acenou como prioridade a gratuidade para os alunos do Cefet, suspensa no início do ano porque a verba utilizada para a concessão vinha do valor destinada ao transporte de alunos da zona rural do município. “Estamos estudando uma forma de conseguir o retorno desse passe para os alunos do Cefet”, disse.  Quanto a volta da tarifa social (aos domingos e feriados, passageiros pagavam R$ 1,00 pela passagem de ônibus circular), e a implantação do meio-passe universitário Antônio Silva explicou que neste momento a Prefeitura não tem recursos para subsidiar tais benefícios. “Pegamos uma Prefeitura com R$127 milhões de dívidas, estamos saneando a casa para mantermos os serviços essenciais. E é importante que as pessoas saibam que qualquer isenção de tarifa recai sobre o valor cobrado, e será que pé junto um pai de família, que recebe um salário pagar  pelos outros”, disse o prefeito.

Durante a Coletiva foram levantados outros assuntos, incluindo o Projeto de lei que tramita na Câmara de Vereadores, que autoriza o município a celebrar convenio com o Estado, para que a COPASA assuma a operação do novo aterro sanitário e a recuperação do LIXÃO, cuja capacidade operacional esta se esgotando.  O projeto tramita na Câmara desde o mês de março deste ano, aguardando um parecer das comissões para entrara em votação.