Campanha de vacinação contra a gripe terá início dia 26/04

Com o slongan “Vacinação contra a gripe: você não pode faltar”, a Campanha Nacional de Vacinação para Influenza Sazonal será iniciada a partir do dia 26/04, dia de mobilização nacional e a novidade deste ano é a ampliação da faixa etária para crianças de seis meses a 4 anos 11 meses e 29 dias e gestantes. No passado, o público infantil foi de seis meses a menores de dois anos.

A meta para este ano é vacinar 7.071 Crianças na faixa etária de seis meses a 4 anos 11 meses e 29 dias, 2.340 Trabalhadores de Saúde, 1249 gestantes, 205 mulheres no período de até 45 dias após o parto (Puérpera),  que deverão apresentar qualquer documento durante o período de vacinação (certidão de nascimento do Bebê, cartão da gestante, documento do hospital onde ocorreu o parto, entre outros), 13.460 pessoas com 60 anos ou mais de idade e 5.740 pessoas de grupos portadores de doenças crônicas, não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, totalizando 30.064 pessoas.


COMO ACONTECERÁ A CAMPANHA

A campanha, que envolverá 140 profissionais da área de saúde estarão envolvidos na campanha, vai acontecer nas 16 Unidades de Saúde (postos de vacinação) na Zona Urbana e 05 postos de vacinação na Zona Rural que estará distribuída em 11 pontos. Equipes de vacinadores vão deslocar até o Lar São Vicente de Paula e Vila Vicentina.

Serão utilizados 7 veículos que ficarão circulando no dia D (26/04), suprindo as Unidades de Saúde, atendendo intercorrências e outras ações que se façam necessárias:

QUAIS DOCUMENTOS LEVAR

Prescrição médica

  • - Pacientes com doenças crônicas já cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do SUS, deverão se dirigir aos postos em que estão cadastrados para receberem a vacina;
  • - Pacientes crônicos que são atendidos na rede privada ou conveniada, também devem buscar a prescrição médica com antecedência, junto ao seu médico assistente, devendo apresentá-la nos postos de vacinação durante a realização da campanha de 2014;
  • - Puérperas: Deverão apresentar qualquer documento durante o período de vacinação (certidão de nascimento do bebê, cartão da gestante, documento do hospital onde ocorreu o parto, entre outros).
  • - Caderneta de vacinação da criança e do adulto;


É MITO A HISTÓRIA DE QUE A VACINA PODE CAUSAR GRIPE

O vírus usado é INATIVADO, portanto não há transmissão da gripe pela vacina.  Às vezes, a pessoa já estava como vírus em incubação, já que existem vários outros circulando com quadro parecido, como o resfriado, que não é protegido pela vacina. Ela pode ter tido contato com alguém com resfriado.

REAÇÕES ADVERSAS – Após a aplicação da vacina, podem ocorrer, de forma rara, dor no local da injeção, eritema e induração. São manifestações consideradas benignas, cujos efeitos passam, na maioria das vezes, em 48 horas.  A vacina é contraindicada para pessoas com história de reação anafilática prévia em doses anteriores ou para pessoas que tenham alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados.

Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% a 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza. O objetivo da vacinação é contribuir para a redução das complicações, internações e óbitos provocados por infecções da gripe.


A Doença

A influenza constitui-se em uma das grandes preocupações das autoridades sanitárias, devido ao seu impacto na mortalidade.
   
Conceito: A influenza é uma infecção viral aguda que afeta o sistema respiratório. É de elevada transmissibilidade e distribuição global, com tendência a se disseminar facilmente em epidemias sazonais.

Transmissão: ocorre por meio de secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir, espirrar ou pelas mãos, que após contato com superfícies recém-contaminadas por secreções respiratórias podem levar o agente infeccioso direto à boca, aos olhos e ao nariz.

Sintomas: Os sintomas da gripe são: febre, tosse ou dor na garganta, além de outros, como dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. Já o agravamento pode ser identificado por falta de ar, febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração.


O Controle

O controle da influenza requer uma vigilância qualificada, somada às ações de imunizações anuais, direcionadas especificamente aos grupos de maior vulnerabilidade e com capacidade de desenvolver complicações. A VACINAÇÃO E TRATAMENTO NÃO SUBSTITUEM AS AÇÕES PREVENTIVAS.


Medidas Preventivas

Lavar as mãos várias vezes ao dia, evitar contato com pessoas doentes e aglomerações, se estiver com sintomas da gripe, além de proteger a tosse e o espirro com lenços descartáveis.

Em caso de síndrome gripal, deve-se procurar um serviço de saúde o mais rápido possível. A vacina contra a gripe não é capaz de eliminar a doença ou impedir a circulação do vírus, por isso, as medidas de prevenção são muito importantes, particularmente durante o período de maior circulação viral, entre os meses de junho e agosto.    

Também é importante lembrar que, mesmo pessoas vacinadas, ao apresentarem os sintomas da gripe - especialmente se são integrantes de grupos mais vulneráveis às complicações - devem procurar, imediatamente, o médico.

Outras medidas preventivas comprovadamente eficazes devem ser amplamente adotadas, a saber:



ROTEIRO – ZONA URBANA


ROTEIRO DA CAMPANHA – INFLUENZA ZONA RURAL - ABRIL/2014