Os meios e a informação ~ Coluna ArteNoMovimento

Olá amigos de Varginha! Tudo bem? Na coluna de hoje falarei do universo da comunicação e seus caminhos. 

No começo do ano circulou no Facebook e em muitos blogs de comunicação uma suposta crise no jornalismo brasileiro. Muitos pensaram em abandonar o barco, outros ameaçaram cortar o pulso e outra fatia jogou pedra nesta profissão maluca, porém decente.

Ocorre que para quem sempre precisou cavar oportunidades no mundo da comunicação, isto é mais uma piada. O jornalismo não pode e nem vai morrer. Tenho fé nisso porque os fundamentos da comunicação correm na veia. Quem é, é e ponto! Talento e respeito à gramática são outros quinhentos.

Eu trabalhei bons anos dentro de uma emissora de televisão e degustei belíssimos cafés na redação; principalmente nos finais de semana, esperando um avião cair para sacudir a redação em busca de novas informações, segundo a segundo.

Hoje a minha praia é outra: jornalismo corporativo e cultural, mas o sangue ainda ferve diante de uma nova pauta. É adrenalina pura! Por isso, justificar o fracasso profissional com as mudanças do mercado é muito fácil, inclusive um dos homens mais ricos do Brasil fez isso recentemente.

O jornalismo e os verdadeiros jornalistas estão vivos e com a caneta na mão para registrar as transformações da sociedade. Mesmo que essas mudanças representem a própria comunicação. Afinal, os novos meios de comunicação não são nada sem informações relevantes, preparadas por quem entende. Até breve!


Marcelo Andrade é jornalista na produtoramc, autor do livro O Evangelho das Ruas e editor de conteúdo no Projeto ArtenoMovimento.