Paraná Clube 0 X 0 Boa Esporte

Paraná e Boa Esporte iniciaram o jogo no Estádio Durival Brito e Silva, na noite desta sexta-feira, com campanhas iguais na Série B. Após 95 minutos de bola rolando, os dois times terminaram a partida sem modificar essa situação. Ambos chegaram a cinco pontos, obtidos em uma vitória e dois empates, além de terem sido derrotados duas vezes cada. Pior para o clube paranista, que atuou em casa e completará um mês sem vencer.

O último triunfo do Paraná foi em 18 de abril na estreia da Série B, quando bateu o Sampaio Corrêa, por 2 a 0. Como só jogará na próxima terça-feira, dia 20, contra o Avaí, chegará a um mês de jejum. Nesses seis jogos sem ganhar, foram quatro empates e duas derrotas, além da eliminação na Copa do Brasil, pela Ponte Preta, em decisão por pênaltis. "Quando não vence incomoda em vários aspectos. Não sobe na tabela, mas a produção do time foi boa, pegamos adversário que veio jogar pelo empate", afirmou Lúcio Flávio.

O Boa Esporte, que vinha de vitória sobre a Portuguesa, por 2 a 1, não conseguiu emendar um segundo resultado positivo e segue sem vencer fora de casa. O estreante Fábio Júnior, no entanto, não lamentou o empate. "Foi bom, a gente sempre joga para vencer e tivemos duas chances claras, mas voltamos a Varginha com um ponto importante", observou o veterano atacante.

O jogo começou com um pequeno atraso, em função da necessidade do Boa Esporte trocar a camisa por determinação da arbitragem. O time mineiro entrou em campo com uniforme todo vermelho. Como o Paraná, mandante da partida, tem a camisa principal nas cores vermelha e azul, foi preciso mudar. A troca foi feita ao lado do gramado, sem ir ao vestiário, para não perder tempo.

O Paraná começou disposto a abrir o marcador logo. Nos seis primeiros minutos, em cobranças de bolas paradas, Lúcio Flávio levou perigo ao gol defendido por Emerson. No segundo deles, o zagueiro Gustavo, que fez sua reestreia pelo time paranista, cabeceou, mas a bola foi desviada por um zagueiro. A melhor oportunidade para os donos da casa, no início da partida, foi aos 16 min, quando Gabriel Barcos, substituto do artilheiro Giancarlo, contundido, acertou a trave.

O Boa Esporte, fiel ao estilo do seu treinador Nêdo Xavier, especialmente como visitante, atuava recuado, privilegiando a marcação. Por causa desse posicionamento, o time mineiro teve de suportar forte pressão paranista e pouco chegou ao ataque. O veterano Fábio Júnior, um dos estreantes da equipe de Varginha, ao lado do lateral direito Maranhão, tinha de voltar ao seu campo para participar do jogo, pois a bola não chegava até ele na frente.

Ao Paraná Clube faltava inspiração na criação de jogadas ofensivas. O time anfitrião rondava a defesa adversária, mas sem conseguir penetrá-la e, consequentemente, pouco ameaçando o goleiro Emerson. Muito menos trabalho, no entanto, teve Marcos, o camisa 1 da equipe paranaense, que tornou-se mero espectador na maioria do primeiro tempo. Depois da bola na trave, a melhor chance paranaense foi em jogada individual de Keno, que chutou para fora.

Já o Boa conseguiu uma única finalização na etapa inicial, aos 45 min, em cabeçada de Thiago Carvalho, defendida por Marcos, com dificuldade. "O jogo está muito truncado, com muito chutão. Temos de fazer a bola ficar no chão e jogar pelos lados do campo", analisou Maranhão, da equipe mineira. Já Gabriel Barcos pede mais calma nas finalizações do Paraná para chegar ao gol. "Estamos jogando bem e vão surgir mais oportunidades no segundo tempo e vamos saber aproveitá-las", destacou.

O Boa voltou com Fernando Karanga no lugar de Pedrinho, contundido. O goleiro Emerson, que terminou a etapa anterior sentindo dores e com dificuldade até para se manter em pé, retornou normalmente. O técnico Claudinei Oliveira, por sua vez, não alterou o Paraná, que manteve a formação da fase inicial. A primeira chance de gol do segundo tempo foi do Boa. Fábio Júnior aproveitou falha de Breno e chutou forte, obrigando Marcos a ótima defesa.

Ao contrário da etapa anterior, quando apenas se defendeu, o Boa voltou mais ofensivo e começou essa fase superior ao adversário. Tanto que aos 12 min, Claudinei Oliveira tirou o volante Cambará e colocou o meia Thiago Humberto, numa tentativa de reequilibrar a disputa no meio-campo. O jogador que entrou deu passe a Breno, que cruzou, mas a bola bateu em Thiago Carvalho e parou na trave, salvando os visitantes. O jogo era ofensivo e, aos 25 min, foi a vez de Fernando Karanga desperdiçar para os mineiros. A partida ficou aberta até o fim, com o time visitante criando boas chances. Aos 44 min, mesmo contundido, o goleiro Emerson fez grande defesa em cobrança de falta de Lúcio Flávio. Mas o jogo acabou mesmo no empate sem gols.