Varginha se destaca entre as maiores exportadoras de Minas em 2013

Lançado pelo Governo de Minas lançou no início do mês, a edição 2014 do Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais colocou Varginha entre   as maiores cidades  exportadoras do Estado, a única do Sul de Minas a fazer parte da lista dos municípios lideres em exportação, ao lado de Nova Lima, Ouro Preto, Itabira, São Gonçalo do Rio Abaixo, Betim, Ouro Preto, Itabira, São Gonçalo do Rio Abaixo, Betim, Araxá, Itabirito, Mariana e Brumadinho.

Em 2013, Minas continuou mantendo a posição de destaque nas exportações em relação a outros Estados da federação, com um valor de US$ 33,4 bilhões, resultado que representa 13,8% do total exportado pelo país.

O Estado também atingiu o maior saldo comercial do Brasil no ano passado, com um total de US$ 21,09 bilhões. Na mesma base de comparação, o Brasil atingiu um superávit na balança comercial de apenas US$ 2,56 bilhões. A publicação mostra ainda a evolução do comércio exterior de Minas Gerais sendo que em 2004, Minas Gerais exportava apenas US$ 10 bilhões, e em 2013 esse valor foi de US$ 33,44 bilhões. O avanço representa um aumento de 234,1% nas exportações.

“Promover a inteligência competitiva e fomentar a cultura exportadora em todo o Estado com a inserção de mais empresas no mercado internacional”, afirmou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Rogério Nery, durante o evento. Segundo ele, a ideia é oferecer aos empresários um acompanhamento de todas as ações necessárias para se concretizar as exportações.

De acordo com o secretário, Minas Gerais mantém a estratégia de promover a atração de novas empresas para o Estado, principalmente na chamada “Nova Economia”. “Além da agregação de valor às commodities, por meio da atração de empresas, no entanto, temos que investir também em logística, a partir de novos modais de transporte”, observou. Ele destacou ainda a oportunidade para que novos empreendimentos, principalmente dos setores de alta tecnologia, possam ser instalados no espaço do Aeroporto Industrial, no sítio do Aeroporto Internacional Tancredo Neves (AITN).  ”O nosso grande desafio é garantir a competitividade para as empresas em Minas Gerais”, disse ele.

Parceria

O Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais é elaborado pela Exportaminas, unidade central de comércio exterior da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (SEDE). Durante a coletiva desta terça-feira, a nova coordenadora da Exportaminas, Fernanda Cimini anunciou que a próxima edição da publicação passa a ser apenas digital e contará com a parceria da Fundação João Pinheiro (FJP), o que lhe dará um caráter mais analítico já na edição de 2015. A Exportaminas firmou também parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) como primeiro passo para disponibilizar o trabalho a bibliotecas de universidades de todo o mundo.

Fernanda Cimini destacou ainda que o esforço da unidade estará voltado para o desenvolvimento de ações de fomento ao comércio exterior, utilizando Inteligência Competitiva de Mercado. “Nosso pensamento como unidade central de comércio exterior é o de que o mercado de Minas Gerais é o mundo, e para isso identificamos cadeias globais de valor, com potencial para produtos Made in Minas”, afirmou.

De acordo com ela, o grande desafio é preparar o Estado para os próximos dez anos. “Estamos abertos a prestar atendimento a qualquer empresa mineira, somos uma agência de promoção comercial e como tal queremos inserir nossas empresas no mercado internacional e na lógica das cadeias globais”, salientou.

Destaques

Em 2013, Minas Gerais exportou para 180 países, cinco deles pela primeira vez: São Tomé e Príncipe, Ilhas Virgens, San Marino, Ilhas Picárnia e Andorra. O minério de ferro; o café e o ouro; helicópteros; fibras óticas; medicamento contendo insulina em doses; melancias; instrumentos musicais de cordas; botões; fechos ecler; ossos; osseínas; carapaças e farinhas de carne são alguns dos 2.907 produtos exportados por 290 municípios mineiros. Desse total, 28 exportaram pela primeira vez ou retomaram suas atividades ligadas ao comércio exterior em 2013.

Outro destaque foi o aumento das exportações de regiões como os Vales do Jequitinhonha e Mucuri, que atingiram um valor de mais de US$122 milhões. Os principais produtos exportados foram a carne bovina, pedras preciosas e semipreciosas, café, artigos de joalheria, bijuterias, platina, confecções e açúcar de cana ou beterraba, que estão sendo exportados por 17 municípios da região. A participação destes municípios representa apenas 0,4% do total exportado por Minas Gerais, mas o nível de crescimento, de 14% foi o maior entre as regiões mineiras no ano passado.

Entre estes municípios está Caraí, no Vale do Mucuri/Jequitinhonha, que exportou, pela primeira vez em 2013, pedras para calcetar (pedra para calçamento) e de cantaria (pedra para construção). Merecem ser citados também os municípios de Manga e Rubelita, no Norte de Minas, que estão comercializando, respectivamente, mangas e pedras para calcetar e de cantaria. Estrearam no comércio internacional, Bonfinópolis de Minas e Arinos situados no Noroeste do Estado, Tupaciguara no Triângulo, Araújos e Córrego Fundo, no Centro Oeste. Já no Sul, dez municípios compõem a lista: Albertina; Alpinópolis; Boa Esperança; Borda da Mata; Capitólio; Itamonte; Monte Santo de Minas; Munhoz; Pouso Alto e Wenceslau Braz, enquanto Mutum, no Vale do Rio Doce, e Divino, Mar de Espanha; Guarani e Piraúba, na Zona da Mata, completam a lista de novos exportadores.

Já a região Central foi responsável por 64,1% do total exportado pelo Estado. Os principais produtos exportados por essa região são minérios metalúrgicos; produtos metalúrgicos; material de transporte e componentes; metais e pedras preciosas e artigos de joalheria e máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos.

Liderança

Com mais de 30 produtos na sua pauta de exportação, Nova Lima liderou o ranking dos municípios exportadores de Minas Gerais com US$ 3,83 bilhões, seguido de Ouro Preto, Itabira, São Gonçalo do Rio Abaixo e Betim. O município vende desde minério de ferro, ouro, pedras preciosas a instrumentos, aparelhos médico e cirúrgico e acessórios, computadores e acessórios, geradores e transformadores elétricos e circuitos eletrônicos e suas partes. Completam a lista dos maiores exportadores mineiros, Ouro Preto, Itabira, São Gonçalo do Rio Abaixo, Betim, Araxá, Varginha, Itabirito, Mariana e Brumadinho.

O principal destino das exportações mineiras se concentra no bloco asiático, que registrou US$ 16,58 bilhões, representando 49,6% do total exportado por Minas Gerais. Entre janeiro e dezembro de 2013, a China foi o principal destino das exportações de Minas Gerais, totalizando US$ 11,67 bilhões. O valor equivale a 34,9% do montante exportado pelo Estado, sendo que somente o minério de ferro foi responsável por 86,7% desse total. Os Países Baixos (Holanda) ocuparam a segunda posição, com US$ 2,24 bilhões. Em terceiro lugar ficaram os Estados Unidos com US$ 2,12 bilhões. Entre os principais compradores dos produtos de Minas figuram ainda Argentina, Japão, Reino Unido, Alemanha, Itália, Omã e Coréia do Sul.

Os produtos básicos continuam sendo o carro chefe das exportações mineiras. Com um total de US$ 21,69 bilhões, a categoria foi liderada pelo minério de ferro, café e soja. As exportações de produtos semimanufaturados e manufaturados totalizaram US$ 6,15 bilhões e US$ 5,58 bilhões, respectivamente. O primeiro grupo foi liderado por ferro-ligas e o segundo, por tubos de ferro fundido, ferro ou aço.