Corpo achado 'mumificado' intriga moradores de Minas Gerais

Coveiro encontrou cadáver enterrado há 5 anos em boas condições.
Fotos fizeram população achar que aposentado foi enterrado vivo.

Moradores de Bueno Brandão (MG) estão curiosos com as condições de como um corpo de um aposentado que morreu há cinco anos foi encontrado. Ao abrir o caixão para retirar a ossada no cemitério da cidade, um coveiro se deparou com o corpo retorcido e em bom estado de conservação, como se estivesse mumificado. Por conta disso, algumas pessoas passaram a acreditar que a vítima foi enterrada viva.

O coveiro Creudes José de Almeida conta que estava removendo a ossada de uma gaveta do mausoléu para dar espaço a outro corpo, um trabalho de rotina, quando viu a cena pouco comum para ele nestes 26 anos de profissão. “O corpo tinha pele, unha, tinha tudo”, afirma.

Ao encontrar o corpo em tais condições, o coveiro chamou os responsáveis e uma foto do idoso no caixão foi parar na internet. Além de chamar a atenção pelo fato da mumificação, muitos começaram a reparar na posição em que o corpo estava dentro do caixão. Na imagem, a cabeça está caída para o lado e os braços e pernas dobrados. Além disso, o corpo estava em posição invertida da que havia sido colocada no caixão. A cena gerou comentários de que o idoso teria sido enterrado vivo e foi aí que a história virou caso de polícia.

“Se esse boato tomar maiores proporções de que ele foi enterrado vivo e o nome do médico que atestou o óbito é divulgado na internet, vai encerrar a profissão dele sem antes verificar a veracidade dos fatos. Por isso que é imprescindível o laudo do IML”, explica o delegado Bruno Godoy.

 O corpo pertence a João Batista, que morreu aos 82 anos de morte natural. Ele viveu por 11 anos em um lar para idosos em Bueno Brandão. Segundo a instituição, o homem teve um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e parte do corpo ficou paralisado. Para aumentar o suspense, a foto do corpo foi deixada dentro de um envelope em branco na porta da casa da presidente do Conselho Municipal do Idoso, Márcia Antônia Lucas. “Quando eu recebi a foto, resolvi entregá-la para o delegado. Não tinha nenhum bilhete nada escrito no envelope”, diz.

Segundo uma voluntária da instituição, irmã Sueko Takaze, o aposentado tomava muitos medicamentos, o que pode ter evitado o processo natural de decomposição. “A perna esquerda e o braço esquerdo estavam na posição em que ele foi colocado. Ele tinha esse comprometimento, que é uma atrofia muscular decorrente do AVC antes de chegar aqui na instituição. Já o fato da mumificação, supõem-se do medicamento que ele tomou durante toda a vida e depois dos sete dias que ficou internado no hospital”, explica.

Mesmo com o mistério resolvido, a polícia vai pedir a exumação do corpo. Ainda não há data marcada para a realização da perícia. “Tem um atestado de óbito que aprova que ele morreu por morte natural devido a idade avançada, mas agora por questão desse boato, a polícia tem que ir até o final das investigações e o que será conclusivo é o laudo do IML”, conclui o delegado.