Educação continuada na UPA Varginha

Visando o aperfeiçoamento constante de seus profissionais, dando continuidade a um trabalho mensal realizado na UPA – Varginha, aconteceu em julho/2014, as aulas de educação continuada com os temas: Atendimento na Emergência –  ministrada  pelo Dr. Emerson Yuji Hamada, Noções de Infecção Hospitalar - proferida pela Enf. Máriman Silvério de Rezende Silva e Conscientização sobre ética em geral e na enfermagem e Humanização na Saúde – apresentada pela  Enf. Maria Cristina Cavalcanti Lemos.

Para o desenvolvimento do atendimento resolutivo e eficaz em  Urgência e Emergência é primordial  treinamentos e reciclagem profissional constante.  Quando se trata de urgência e, principalmente, de emergência, tempo é vida. Na aula ministrada foram abordados pontos importantes para que ocorra a Sistematização do Atendimento, garantindo assim uma assistência precisa. Mas qual a diferença desses termos tão comumente usados como sinônimos? Urgência é uma situação que requer assistência rápida, no menor tempo possível, a fim de evitar complicações e sofrimento.  São exemplos de urgência: dores abdominais agudas e cólicas renais. Emergência é todo caso em que há ameaça iminente à vida, sofrimento intenso ou risco de lesão permanente, havendo necessidade de tratamento médico imediato. Alguns exemplos de emergências são a parada cardiorrespiratória, hemorragias volumosas e infartos que podem levar a danos irreversíveis e até ao óbito.

Além do atendimento direto ao cliente, há também a preocupação com o ambiente onde ele será assistido, dessa forma foi passado à toda equipe as Noções Básicas de Infecção Hospitalar. Um dos grandes riscos do hospital é a transmissão de bactérias e outros microorganismos entre pacientes colonizados/infectados para pacientes suscetíveis e para os profissionais de saúde. O isolamento de pacientes com doenças infecto-contagiosas já é bastante antigo, (séc., XVIII). Ações simples como higienização das mãos e até cuidados mais sofisticados relacionados à esterilização de equipamentos e ao uso de produtos especialmente desenvolvidos para evitar infecções podem minimizar o impacto desse importante problema. As recomendações relativas a isolamento e precauções são dinâmicas, uma vez que novas doenças e agentes infecciosos são continuamente descobertos. A conscientização da equipe de enfermagem e demais colaboradores sobre a importância de valorizar a figura humana do paciente, colabora para que sua ansiedade seja diminuída, pode ser vivenciada na aula de Conscientização sobre ética em geral e na enfermagem e Humanização na Saúde. É importante que seja analisado não somente a sua entrada no serviço de atendimento de urgência, mas toda a situação pela qual o paciente está passando, buscando, além de recuperar sua saúde física no momento, identificar suas emoções, suas frustrações e seus desejos na ânsia de sair do caráter emergencial vivo e do serviço curado.

Melhoria do Atendimento

O Projeto de Educação continuada que vem sendo desenvolvido pela direção da UPA trata-se de uma mudança contínua, permanente, de constante aprendizado e atualização profissional que tem por finalidade melhorar a qualidade do atendimento, resultando em satisfação, humanização, aprimoramento técnico e dignidade no exercício do trabalho por meio da construção coletiva, troca de saberes e interdisciplinaridade.

Tem como objetivo subsidiar a organização/construção do processo de trabalho da enfermagem – qualificação, através do desenvolvimento de um novo modo de pensar-fazer crítico-reflexivo, comprometido com a busca constante do crescimento pessoal e profissional. 

Além de estimular a educação para a saúde, individual e coletivamente, fomentar a construção do conhecimento pela equipe de enfermagem junto ao usuário, integrando o saber técnico ao saber popular, aperfeiçoar os registros referentes às ações de educação em saúde, apoiar a equipe de enfermagem estimulando a produção de material educativo como ferramenta de educação em saúde e articular, interinstitucionalmente, o desenvolvimento de ações educativas em saúde.

Através dessa iniciativa espera-se a reorganização dos Modelos Assistenciais, a reestruturação das formas de intervenção educativa no  serviço e a reconstrução do Processo de Trabalho.