28 de janeiro - Dia Mundial de Luta no Combate a "Hanseníase"

O Dia Mundial de Combate à Hanseníase foi criado pelas Organização das Nações Unidas (ONU) em 1954, a pedido do jornalista francês Raoul Follereau, conhecido na época do isolamento compulsório para as pessoas acometidas pela hanseníase, como “o pai dos leprosos”. Follereau dizia que era necessário um dia mundial de combate à “lepra”, como era conhecida a doença, para que um dia ela deixasse de existir. "O objetivo do jornalista era que os doentes fossem tratados, respeitando-se sua dignidade e sua liberdade", narra a professora Clodis Tavares.

A hanseníase é uma doença causada por um bacilo chamado Mycobacterium Leprae, que atinge preferencialmente a pele e os nervos da face ,dos braços e pernas, levando as incapacidades físicas. Quando não diagnosticada precocemente, a doença pode evoluir com deformidades, gerando o preconceito social. A hanseníase tem cura. Na primeira dose do tratamento morrem 99% dos bacilos e não há mais perigo de contagio.

Em Varginha, sendo o Setor de Vigilância Epidemiológica responsável pelas notificações das doenças de agravo, é de grande preocupação a divulgação a população sobre a Hanseníase de uma vez que a doença é altamente contagiosa, de sequelas irreparáveis, que deixa graves comprometimentos físicos.

“Embora muitos acreditem que a doença foi erradicada, não é a realidade, ela ainda acontece e com o diagnóstico tardio o risco de incapacitação e sequelas é grande. É importante que as pessoas conheçam para se prevenir, pois a informação ainda é um instrumento de grande repercussão e que influencia as medidas e ações de proteção, prevenção e controle da doença”, explicaram Roseane S. e Silva, Coord. Setor de Epidemiologia e Jussenira P. C. Pinto, Coordenadora do Programa de Hanseníase da secretara Municipal de Saúde.

O que você precisa saber sobre a doença:

Doença milenar conhecida pelos antigos com o nome de "lepra", altamente contagiosa que ainda hoje se encontra presente em nossa população, sem distinção de cor, raça e condição social; estando o Brasil colocado no ranking do 3º maior país em número de casos de Hanseníase no mundo.
A Hanseníase é uma doença infectocontagiosa transmitida por contato direto e por vias aéreas respiratórias, através de gotículas de salivas e espirros dispersos no ar por pessoas portadoras da doença através de um bacilo denominado "Bacilo de Hansen" que irão se alojar nas células dos nervos periféricos.

Sua manifestação se dá após um tempo de incubação do bacilo e pode se apresentar com sintomas de pouca valorização para o indivíduo, através de manchas anestésicas (dormências) na pele, por nódulos (lesão sólida, elevada) e áreas da pele com diminuição de sudorese (suor) evoluindo com leves neurites que ao longo do tempo vai se agravando promovendo as deformidades nos pés, nas mãos  causando assim as incapacidades físicas no indivíduo já em alto índice de contágio.

Hanseníase é uma doença grave; MAS TEM CURA, quando detectada e tratada no início, podendo ser curada com até 06 meses de tratamento sem deixar sequela alguma ao portador; e o mais importante, evitando assim contágio para outras pessoas.

Fique atento. Procure o posto de saúde mais próximo de sua casa na presença de algum sintoma ou mancha suspeita, para avaliação pela coordenadora da unidade e posterior encaminhamento para o tratamento precoce com a equipe especializada do programa na Policlínica Central.

Saiba mais: o tratamento é totalmente gratuito pelo Sistema Público de Saúde (SUS).