2º Dose Campanha Nacional de Vacinação Contra o HPV começa em Varginha

A Secretaria de Saúde de Varginha, através do Setor de Epidemiologia, comunica que a partir de segunda-feira, 14/09 a vacina contra HPV estará disponível em todas as Unidades de Saúde. A equipes de vacinadores da Rede Pública/Unidades de Saúde, retornarão nas escolas para continuidade da campanha de HPV conforme agendamento com as escolas.

A meta é vacinar 100% com a 2ª dose as meninas de 9 a 11 anos, 11 meses e 29 dias de idade com a vacina HPV e vacinar as mulheres de 09 a 26 anos 11 meses e 29 dias portadoras de HIV.  A meta de vacinação em Varginha, por faixa etária, é 100%: ou seja, 907 jovens de 09 anos de idade, 947 de 10 anos de idade e  991 de 11 anos de idade.


ESQUEMA VACINAL PARA FAIXA ETÁRIA DE 09 A 26 ANOS

As mulheres de 9 a 26 anos de idade, vivendo com HIV (HIV POSITIVO, deverão receber a vacina com intervalo de doses de 0, 2 e 6 meses, independentemente de CD4 e preferencialmente em terapia antirretroviral.

O município receberá 1707 doses no primeiro momento e dentro da estratégia de vacinação no município, equipes de vacinadores das Unidades de Saúde se deslocarão até as escolas para vacinar conforme agendamento com as escolas públicas e privadas.

LOCAL PARA VACINAÇÃO DAS MULHERES PORTADORAS DE HIV

  • A vacinação deste grupo passa a ser realizada na Policlínica Central, localizada na Rua Santa Catarina s/nº. É necessária a prescrição médica para mulheres portadoras de HIV, que deverá ser apresentada no ato da vacinação a ser realizada na policlínica Central. As meninas entre 11 e 13 anos já contempladas na rotina de vacinação e portadoras de HIV também deverão receber as três doses neste esquema de vacina indicado.

INFORME DO MINISTÉRIO DA SAÚDE

Segundo o ministro da Saúde, este grupo de meninas, juntamente com as de 11 a 13 anos que foram vacinadas no ano passado, pode ser a primeira geração livre do risco de morrer deste tipo de câncer, que mata 5 mil mulheres por ano no país. “A vacina é segura, previne em 70% as lesões que levam ao desenvolvimento do câncer e está disponível em mais de 30 mil postos de vacinação pelo país. VALE LEMBRAR QUE NÃO ADIANTE TOMAR SÓ A PRIMEIRA DOSE. É NECESSÁRIO COMPLETAR O CICLO PARA GARANTIR A PROTEÇÃO DESSAS MENINAS”, RESSALTA.

“A vacina é extremamente segura, uma proteção para a vida. Além de proteger a menina, os estudos mostram que a comunidade também fica protegida. Precisamos contar com a colaboração dos pais e das escolas para conseguir alcançar a nossa meta e começar a escrever outra história no nosso País de enfrentamento a essa doença, que é o terceiro tipo de câncer que mais mata as mulheres no Brasil”, reforçou o ministro da Saúde, Arthur Chioro, durante o lançamento da campanha.

SOBRE A DOENÇA

Papilomavírus Humano

O HPV é um vírus que apresenta mais de 200 genótipos diferentes, sendo 12 deles considerados oncogênicos pela Agência Internacional para Pesquisa sobre Câncer (IARC) e associados a neoplasias malignas do trato genital, enquanto os demais subtipos virais estão relacionados a verrugas genitais e cutâneas.

Os tipos virais oncogênicos mais comuns são HPV 16 e 18, responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer do colo do útero, enquanto os HPV 6 e 11 estão associados a até 90% das verrugas anogenitais.

O HPV é transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas durante a relação sexual.

CÂNCER DE COLO DO ÚTERO

 No Brasil, o câncer do colo do útero é o terceiro tipo mais frequente que acomete as mulheres e faz, por ano, 5.264 vítimas fatais. Em 2014, as estimativas foram de 15,3 casos novos a cada 100 mil mulheres e risco estimado variando de 17 a 21/100 mil casos, com as atuais ações para o rastreamento do câncer do colo do útero, possibilitará prevenir a doença nas próximas décadas. Atualmente este agravo representa a terceira causa de morte por neoplasias entre mulheres no Brasil.

Tomar a vacina na adolescência é o primeiro de uma série de cuidados que a mulher deve adotar para a prevenção do HPV e do câncer do colo do útero. No entanto, A IMUNIZAÇÃO NÃO SUBSTITUI A REALIZAÇÃO DO EXAME PREVENTIVO E NEM O USO DO PRESERVATIVO NAS RELAÇÕES SEXUAIS.

O Ministério da Saúde orienta que mulheres na faixa etária dos 25 aos 64 anos façam o exame preventivo, o Papanicolau, a cada três anos, após dois exames anuais consecutivos negativos.

O HPV é um vírus transmitido pelo contato direto com pele ou mucosas infectadas por meio de relação sexual. Também pode ser transmitido da mãe para filho no momento do parto. Estimativas da Organização Mundial da Saúde indicam que 290 milhões de mulheres no mundo são portadoras da doença, sendo 32% infectadas pelos tipos 16 e 18.

Em relação ao câncer do colo do útero, estudos apontam que 270 mil mulheres, no mundo, morrem devido à doença. Neste ano, o Instituto Nacional do Câncer estima o surgimento de 15 mil novos casos.

SOBRE A VACINA

A vacina distribuída no SUS é quadrivalente, ou seja, protege contra quatro tipos de HPV: o 6, o 11, o 16 e o 18. Dois deles (o 6 e o 11) estão relacionados com o aparecimento de 90% das verrugas genitais. Os outros dois (o 16 e o 18) estão relacionados com 70% dos casos de câncer de colo de útero.

Desde março de 2014, o SUS oferece a vacina quadrivalente, que confere proteção contra quatro subtipos do vírus HPV (6, 11, 16 e 18), com 98% de eficácia em quem segue corretamente o esquema vacinal. Os subtipos 16 e 18 são responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer do colo do útero em todo mundo e os subtipos 6 e 11 por 90% das verrugas anogenitais.

A vacina contra HPV tem eficácia comprovada para proteger mulheres que ainda não iniciaram a vida sexual e, por isso, não tiveram nenhum contato com o vírus. Hoje, é utilizada como estratégia de saúde pública em mais de 50 países, por meio de programas nacionais de imunização.