Jhonatan que foi baleado por advogado tem órgãos doados em Varginha

Vítima de 24 anos teve morte encefálica e família optou pela doação.
Equipes de transplantes captaram rins, córneas, fígado e coração.


Durante a manhã deste domingo (27) equipes de transplantes realizaram a captação de órgãos do jovem Jhonatan Cândido Bernardes Bueno, de 24 anos, que foi baleado no olho por um amigo após uma discussão por um aplicativo de mensagens em Varginha. A família decidiu doar os órgãos no final da noite de sábado (26) e até o final do domingo devem ser captados coração, rins, fígado e córneas.

Segundo o Hospital Bom Pastor, o jovem teve a morte encefálica confirmada na noite de sexta-feira e por volta das 9h30 do domingo, equipes do MG Transplantes e Incor, de São Paulo chegaram ao aeroporto de Varginha para fazer a captação. De acordo com o Ministério da Saúde, no dia 27 de setembro [neste domingo] é comemorado o Dia Nacional da Doação de Órgãos no Brasil, justamente para lembrar que um transplante pode salvar vidas.

Ainda de acordo com o hospital, o coração será o primeiro órgão a ser retirado pela equipe de São Paulo. Em seguida, fígado e rins pela equipe da MG Transplantes. As córneas devem ser retiradas pela equipe do Banco de Olhos do Hospital Alzira Velano, de Alfenas.

O autor dos disparos, Clauber Antônio Correa Cardoso, de 34 anos, se apresentou à polícia e prestou depoimento, mas foi liberado porque é réu primário e se entregou espontaneamente. O advogado ainda precisa entregar a arma utilizada no crime para os policiais.

Pedido de Justiça e manifestação
Na noite de sábado (26),cerca de 200 pessoas entre amigos e familiares do jovem fizeram uma manifestação em Varginha, pedindo por justiça, já que o suspeito de atirar contra Jhonatan está em liberdade.

As pessoas participaram de uma missa em homenagem ao jovem na Igreja Matriz e em seguida foram para a Concha Acústica, onde ocorreu o protesto.

Discussão por app e crime
De acordo com a Polícia Militar, o advogado e um homem de 24 anos eram amigos e discutiram após uma brincadeira em um aplicativo de mensagens instantâneas por celular. Após o desentendimento, o homem se dirigiu à casa do advogado para continuar a discussão e então foi baleado no olho.

Segundo a Polícia Militar, Cardoso, que se disse arrependido dos disparos, não tinha porte de arma. O advogado vai responder o processo em liberdade. Para a polícia, o advogado disse que agiu sem pensar e que estava arrependido do que fez. Segundo o delegado responsável pelo caso, os celulares das vítimas já foram pedidos para que as mensagens que motivaram a briga possam ser analisadas.

Conforme a PM, ele já tinha uma passagem pela polícia por agressão em 2007. Jhonatan Cândido Bernardes também tem passagens pela polícia por ocorrências como lesão corporal, desobediência e desacato à autoridade.