Passageira recebe indenização após fraturar vértebra em coletivo de Varginha


Após quebrar uma vértebra em um acidente dentro de um ônibus da Autotrans, empresa de transporte coletivo de Varginha, uma moradora da cidade processou a empresa e foi indenizada em pouco mais de R$ 10 mil. O caso aconteceu em 2013, quando a agente de atendimento Lílian de Carvalho caiu dentro do veículo de transporte coletivo e fraturou parte do corpo.

“O motorista passou em um redutor e eu estava sentada e fui arremessada do banco em que estava sentada. Já senti uma dor forte, falta de ar”, contou a vítima, que ficou quatro dias internada no hospital e mais 15 dias de repouso. A queda dentro do ônibus custou caro para Lílian, que teve que pagar por todo o tratamento. “Eu tive que usar um colete que custou quase R$ 500, além do tratamento e das fisioterapias”, disse a vítima.

Por causa disso, dois anos depois do acidente, Lílian entrou na Justiça e pediu reparação pelos problemas de saúde causados por causa do acidente. Ela precisou ser afastada das atividades de rotina. Na sentença, o juiz responsável pelo caso considerou que a vítima sofreu danos morais por causa do sofrimento e dos transtornos causados pelo acidente. A empresa responsável pelo transporte público de Varginha foi condenada a pagar uma indenização por danos morais e materiais.

De acordo com o advogado da passageira, mais importante que o dinheiro é o valor educativo da punição. “As empresas precisam rever as atitudes, respeitar os passageiros”, disse Saulo Rodrigo do Carmo.

Entretanto, Lílian não é a única. Dentre os inúmeros problemas apontados pelos usuários do transporte público está também a pressa dos motoristas. Muitos dirigem em alta velocidade e os passageiros contam que precisam se equilibrar dentro dos ônibus. Freadas bruscas são comuns.“Ás vezes os ônibus freiam, as pessoas caem, nos empurram, é bem complicado”, disse a auxiliar de saúde bucal, Liliana Machado.

Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) , não cabe mais recurso da decisão. Em nota, a Autotrans informou que no dia do acidente com a Lílian de Carvalho, a empresa acionou o Corpo de Bombeiros para os primeiros socorros com a vítima. Ainda segundo a nota da empresa, o motorista que dirigia o ônibus na ocasião passou por um novo treinamento, de condição inteligente e direção defensiva.  De acordo com a empresa, cursos como estes são dados a todos os motoristas que são contratados e eles também passam por constantes treinamentos no exercício da função.