Professoras recebem Prêmio pelo boom de jovens, adultos e idosos em Varginha

Ter o primeiro contato com as letras aos 78 anos de idade. Essa é a realidade de uma pessoa que está cursando a Educação de Jovens e Adultos (EJA), em Varginha. Junto com ela outros tantos adultos que buscam o resgate da dignidade numa era em que a comunicação é rápida e extremamente necessária. 

Essa é uma das histórias das professoras da EJA e do Centro de Estudos Supletivos  (CESU), Rosângela Aparecida Silva Costa e Talita Yara Oliveira. As duas vão receber na próxima segunda-feira, 28, o prêmio “Práticas de Uma Educação Não-Formal Rubem Alves" promovido pelos alunos 4º Período de Pedagogia do Grupo Unis. O evento foi idealizado e organizado na disciplina de Educação Não Formal com a coordenação da professora do Unis, Erondina Leal Barbosa. Ela explica que “o objetivo é promover a pesquisa, a análise e a reflexão de processos educativos nos diferentes espaços compreendendo-os no seu sentido educador”. 

A professora Rosângela conta que foi uma surpresa, pois  ”sou alfabetizadora desde 1990 e nestes 25 anos nunca tinha recebido um prêmio”. Já Talita revela que havia deixado a profissão, mas voltou por vocação. “Esse prêmio provoca a sensação de missão cumprida”, avalia. 

Maria do Carmo Santos Tavares entrou no Cesu. Ela tem 45 anos, trabalha no Centro de Educação Infantil (Cemei) Girassol, tem três filhos. Ela diz que viu o anúncio dentro de um ônibus circular, tinha vontade de concluir os estudos, mas foi a filha, de 23 anos, que a matriculou. “Eu recomendo; quem tem força de vontade deve voltar a estudar, pois transforma a vida da gente”, explica. Maria do Carmo ficou entre as 40 melhores redação do concurso de redação da EPTV (afiliada à Rede globo) deste ano, cujo tema foi “A Educação que Tenho é a que Eu Deveria Ter” e que contou com mil inscrições. Na última quarta-feira, 23, ela e a amiga de turma Luiza Helena Faustino Ferreira foram à emissora acompanhadas das professoras. Maria do Carmo confessa que “foi um Dia de Princesa”. 

A coordenadora da EJA e do Cesu, Luciane Miguel  se diz orgulhosa pela equipe alunos e que que iniciativas como esse Prêmio valorizam e estimulam o educador."Nossos professores da EJA e do CESU carregam as características da educação não-formal, permitindo o crescimento das propostas na relação entre os diferentes saberes e maneiras de fazer a educação, possibilitando a emergência de muitos jeitos de organizar e vivenciar o processo educacional, escapando de modelos instituídos e, humanizando o processo educacional".

Todas essas histórias só puderam se tornar realidade porque o prefeito Antônio Silva decidiu manter em funcionamento a EJA e o CESU, pois antes de ele assumir a Administração Municipal esses cursos corriam o risco de fechamento. “Houve um investimento da Prefeitura e através da Secretaria Municipal de Educação também houve mudança na metodologia, o que resultou no retorno dos adultos para a sala de aula e o consequente e significativo aumento das matrículas”, lembra Luciane. As matrículas saltaram de 120 para 740 e atualmente ocorre a aprovação em nível superior. “Temos aluno que entrou na Unifal (Universidade Federal de Alfenas) e no IF Sul de Minas (Instituto Federal do Sul de Minas)”, conta orgulhosa, Luciane. Para ela, “essas histórias comprovam que realmente esse público “adulto” merece toda uma atenção diferenciada, que felizmente ocorre aqui no nosso município”.

O Prêmio “Práticas de Uma Educação Não-Formal Rubem Alves", será na próxima segunda-feira, 28, às 19h, no auditório do Unis. Informações sobre a EJA e o Cesu podem ser obtidas pelo telefone (35) 3690-2153.

Atitude
Uma das primeiras atitudes dos adultos que passam a ser alfabetizados está a troca da Carteira de Identidade. Eles passam a assinar o nome no lugar que antes tinha a digital.

Números
- A EJA do 1º ao 5º ano tem hoje 105 alunos de 35 anos a 78 anos.
- No primeiro período, 40 alunos estão tendo o primeiro contato com as letras.
- CESU E EJA - 90 matrículas em 2013 subindo para 720 em 2015.