Após Seminário, objetivo agora é reativar o Conselho Municipal das Mulheres


Mais de 100 pessoas participaram do I Seminário para Mulheres de Varginha  – mais Direitos, Participação e Poder para as Mulheres” com o tema “Conselho da Mulher: Pra que? E porque?”, na tarde desta terça-feira, 17, no Theatro Capitólio. O evento contou a presença da representante da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos, Edelweiss Soares, que falou sobre a importância do Conselho Municipal da Mulher. “É necessário organizar e elaborar Políticas Públicas que garantam à mulher direitos à dignidade e respeito; o empoderamento dos direitos é de sua importância”, ressaltou.

Representando o prefeito de Varginha, Antônio Silva, o Secretário Municipal de Habitação e Desenvolvimento Social, José Manoel Magalhães Ferreira, parabenizou a iniciativa da mobilização para que o município reative o Conselho da Mulher e ressaltou que para alcançar o objetivo é necessário o comprometimento das pessoas que farão parte na nova representatividade do conselho.

Já a representante da Câmara Municipal, vereadora Racibe Faria destacou que as mulheres têm que ser mais unidas e citou que dos 15 vereadores varginhenses, há apenas uma mulher. “Tem muita mulher boa, competente e honesta; vamos ter mais união para que tenhamos maior representatividade”, disse.

A juíza da 2ª Vara Cível, Tereza Cristina Cotta leu poema de Carlos Drummond de Andrade “As mulheres são fantásticas!” e em seguida enfatizou que as mulheres não tem os direitos respeitados e nem são valorizadas “Além disso, houve aumento na criminalidade das mulheres; sofremos com a falta de estrutura que não permite cumprir a legislação”. A juíza orientou que as mulheres tem que se qualificar e ter postura e citou o próprio exemplo. “Em 20 anos de magistratura nunca me senti discriminada”, confessou.

Para a delegada da Polícia Civil, Ângela Furtado Braga, as drogas com destaque para o crack são o principal fator que gera a violência. “Dados de 2013 mostram que 17 mulheres morrem por dia em Minas Gerais vítimas de violência”, lembrou. Ela ainda disse que são muitos os tipos de violência e citou como exemplo a agressão física, psicológica, moral entre outras.

Autoridades

Estiveram presentes no Seminário, representando a Secretaria de Governo, o chefe da Divisão de Relações com a Comunidade – Orçamento Participativo, Marcos Batista; os Secretários Municipal da Agricultura, Estevam Tavares; da Educação, Rosana Carvalho e da Habitação e Desenvolvimento Social,  José Manoel Ferreira; além da Guarda Civil Municipal; a diretora da Superintendência Regional de Ensino, Arlete Gomes; a juíza Tereza Cristina Cotta; a presidente da OAB Mulher, Roberta Figueiredo e a vereadora Racibe Faria, além da chefe do Setor Pedagógico da Secretaria Municipal de Educação (Seduc), Vânia Flores.

Na plateia

Na plateia, o Secretário de Agricultura, Estevam Tavares disse considerar importante participar de uma nova conscientização sobre a real importância da mulher em todas as esferas da sociedade. A jornalista Lúcia Lemos também foi ao Seminário. Ela concluiu o doutorado e avalia que pesquisar, aprimorar e participar são ações que devem ser constantes. “Não sou a favor de separar, de formar grupos e é importante que as pessoas saibam que a diferença dos gêneros leva à valorização de cada sexo; como é uma discussão nova aqui é bom que a sociedade reflita”, ponderou.

Ana Luiza Prado, coordenadora de Educação Social da Seduc  falou sobre as ações desenvolvidas pela Prefeitura de Varginha visando a equidade dos gêneros e ainda, Camila Moreira, representando o CDCA também falou sobre os projetos que atendem jovens e adolescentes na entidade.

Pela Secretaria de Saúde, a representante Edy Mara Maiolini,  falou  dos dados de atendimentos registrados pela campanha Outubro Rosa para a prevenção do câncer de mama, da média e alta complexidade da parturiente que  funciona junto ao banco de leite materno com acompanhamento específico, dos exames preventivos, dentre outros serviços de atenção à saúde da mulher prestados pelo município.

Balanço

Presidente da Comissão Organizadora do Seminário, a Ouvidora Rosalina Reis fez um balanço positivo do evento. “Foi muito bom, tanto pelo conteúdo quanto pelo público presente”. Segundo ela,  o próximo passo será a reunião com a Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Social para definir as ações que serão levadas à reativação do Conselho Municipal da Mulher. “Já temos muitas ações em prol da mulher, seja através do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), ou da Saúde, da Educação e outros setores; agora vamos canalizar e divulgar tudo o que já tem sido feito no município em prol das mulheres e o que poderá ser acrescentado, após a reativação do Conselho”, concluiu.