Justiça ouve réu acusado de matar homem em briga de trânsito em Varginha


O réu acusado de matar Daniel Borges Messano em uma briga de trânsito no Centro de Varginha, em agosto deste ano, será ouvido pela Justiça nesta segunda-feira (27). Segundo informações do fórum da cidade, a audiência de instrução e julgamento está marcada para às 13h.

Ao menos 10 testemunhas também serão ouvidas na audiência, segundo o advogado de defesa do réu, Fábio Gama Leite, incluindo a filha da vítima que estava presente no momento do crime. Pedro Augusto de Souza foi indiciado por homicídio qualificado. Após a audiência, deve ser a marcada a data de julgamento do caso.

O crime
Daniel Borges Messano, de 41 anos, levou duas facadas durante uma briga de trânsito em frente a um restaurante no Centro de Varginha. O crime aconteceu no dia 15 de agosto deste ano. Uma testemunha que estava no local disse que os dois começaram a discutir porque um deles estaria parado irregularmente no local.

"O rapaz estava com o carro aqui parado errado, o outro estava atrás buzinando, aí eles começaram a discutir. Um mandou o outro descer do carro para resolver isso, na hora que os dois desceram, um saiu com uma faca na mão e já partiu para cima", contou à época a testemunha, que não quis ser identificada.

Messano foi atingido no peito e no queixo. Ele chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Bom Pastor, mas não resistiu aos ferimentos. A filha dele, de 7 anos, estava no banco de trás do carro e viu toda a ação. "Ela estava chorando demais, só que ela não queria sair, ela gritava o tempo todo 'meu pai morreu, meu pai morreu, eu quero meu pai'", completou a testemunha à época.

O agressor, Pedro Augusto de Souza, de 35 anos, fugiu do local após a confusão, mas testemunhas anotaram a placa do carro e ele foi localizado menos de uma hora depois no trevo de Elói Mendes (MG). Em depoimento à polícia, o motorista admitiu ser o autor da agressão e disse que a confusão teria começado quando ele estacionou para pegar um marmitex no restaurante.

Souza ainda alegou legítima defesa. "Do jeito que ele já desceu, foi sem diálogo, sem conversa. Foi onde ele já me desferiu esse murro aqui na boca. Eu olhei e falei 'nossa, o que eu fiz? Que que eu fiz, 'né'? Uma besteira que eu fiz, por causa de um marmitex."

 O agressor usou uma faca de 20 centímetros, que estava no carro, para atacar a vítima. Segundo uma nova lei estadual, o transporte do objeto é proibido no veículo. Ele afirmou que não conhecia a vítima e que a faca era para fazer comida, que o objeto só estaria no carro porque ele estava levando ele para amolar.

Messano foi enterrado em Varginha na manhã do dia 16 de agosto.